RECONSTRUÇÃO DE MAMA

A cirurgia plástica de Reconstrução de Mama tem o objetivo de refazer parcial ou totalmente uma ou ambas as mamas que sofreu(ram) sequela(s).

Sobre

A imensa maioria das nossas cirurgias de Reconstrução de Mama - em torno de 90% - é decorrente de sequela de mastectomia parcial (quadrantectomias, setorecomias, nodulectomias) ou total pós-câncer de mama. As outras causas estão associadas a sequelas após cirurgia de mama por doença benigna, má formação congênita, queimadura, infecção, trauma, entre outras.

O câncer de mama é hoje o câncer mais frequente na mulher, o que explica a alta incidência de mulheres necessitando de Reconstrução de Mama. Este número aumentou mais ainda com o diagnóstico mais precoce, pacientes mais jovens tratadas, expectativa de vida maior das pacientes com mais idade e, principalmente, uma chance maior de cura.

A cirurgia faz parte do tratamento do câncer de mama e toda mulher que se submete a ela tem o direito à reconstrução de suas mamas. A reconstrução aumenta a qualidade de vida da paciente.

Sempre que possível indicamos a reconstrução imediata, ou seja, a paciente é submetida ao tratamento cirúrgico oncológico e já sai com pelo menos uma fase da reconstrução. O mastologista realiza a parte cirúrgica oncológica e o cirurgião plástico realiza a reconstrução. Quando não for possível a reconstrução imediata, a reconstrução tardia também tem grande sucesso.

A técnica empregada para Reconstrução de Mama vai depender das condições locais de pele e músculos (área que vai receber o expansor ou retalhos), condições das áreas doadoras (costas, abdome, locais que cederão retalhos), biótipo e peso, forma e volume da mama oposta, forma do tórax,
tratamento complementar do câncer (radioterapia) e das expectativas da paciente. Estes dados serão analisados pelo cirurgião a partir de sua própria experiência.

Obedecidos estes fatores, consegue-se obter bons resultados, e devolve-se assim à paciente melhores condições de saúde, bem estar e integração social e profissional.

O pós-operatório é normalmente tranquilo e os fatores limitantes variam de acordo com o porte da cirurgia como, por exemplo, nos casos das próteses e expansores, geralmente 1 dia de internação e restrição mínima, e no caso do retalho abdominal, uma grande cirurgia, com 3 dias de internação em média, e uma grande restrição de esforço físico, e boa recuperação em torno de 30 dias.

Os riscos são inerentes às condições de cada paciente, e aumentam proporcionalmente ao aumento do porte da cirurgia.

Algumas destas cirurgias são feitas em um só tempo e, em outras, dois ou três tempos podem ser necessários.

Em boas condições, a reconstrução mamária imediata permite a continuidade do tratamento (quimioterapia e radioterapia) sem prejuízo à paciente.

Reconstrução de Mama

Técnicas de Reconstrução de Mama

Com expansores teciduais, seguido do uso de prótese.

Com retalhos miocutâneos de músculo grande dorsal e prótese.

Com retalho miocutâneo de músculos abdominais.

Com retalhos microcirúrgicos.

Com retalhos dermogordurosos de vizinhança e prótese.

Reconstrução de Mama

Reconstrução de Mama

Sinopse

Procedimento: Reconstrução de Mama.

Indicação: Pacientes com sequelas na mama pós câncer de mama, pós-queimadura, pós-infecção, pós-trauma ou anormalidades congênitas.

Anestesia: Local, local com sedação, peridural com sedação ou geral.

Duração: Varia amplamente com os procedimentos, como 30 minutos para reconstrução de aréola e 3 horas para reconstrução com retalho do músculo reto do abdome.

Tempo de internação: Varia com a cirurgia.

Importante: Desejo da paciente em reconstruir a mama.

Cirurgias Plásticas relacionadas:
Mamilo Invertido
Mastoplastia de Aumento
Redução de Aréola
Redução de Mamilo

Cirurgia Reconstrutora relacionada:
Expansão Tecidual


Perguntas Frequentes

  • Sim. A radioterapia tende a tornar a pele local mais dura e pouco elástica. Isto pode interferir em certos tipos de reconstrução. Entretanto, temos várias técnicas de reconstrução de mama que podem contornar o problema.

  • Nas cirurgias que se utilizam retalhos, a anestesia geral é utilizada. Em outros procedimentos menores pode-se utilizar anestesia local e sedação.

  • Raramente a cirurgia de reconstrução mamária traz sérias complicações, desde que realizada dentro de critérios técnicos. Isto se deve ao fato de se preparar convenientemente cada paciente para o ato operatório. Os riscos são inerentes a uma cirurgia de grande porte, mas são contornáveis na maioria dos casos. Estes incluem problemas de hematomas, infecções, sofrimento da pele do retalho (perda de parte do retalho), problemas tromboembólicos, entre outros. Felizmente são raros no dia a dia deste tipo de cirurgia.

  • Não. A dor pós-operatória é compatível com outras cirurgias plásticas de mesmo porte e cede com os analgésicos prescritos.

  • A cicatriz é planejada para ficar coberta pelo sutiã. Ela, infalivelmente, passará por vários períodos de evolução, como se segue:

    Período imediato - Vai até o 30º dia e apresenta-se com aspecto excelente e pouco visível. Alguns casos apresentam discreta reação aos pontos ou ao curativo.

    Período mediato - Vai do 30º dia até o 6º mês. Neste período haverá espessamento natural da cicatriz, bem como mudança na tonalidade de sua cor, passando de “vermelho” para o “marrom”, que vai, aos poucos, clareando. Este período, o menos favorável da evolução cicatricial, é o que mais preocupa as pacientes. Como não podemos apressar o processo natural da cicatrização, recomendamos às pacientes que não se preocupem, pois o período tardio se encarregará de diminuir os vestígios cicatriciais.

    Período tardio - Vai do 6º ao 12º mês. Neste período, a cicatriz começa a tornar-se mais clara e menos consistente atingindo, assim, o seu aspecto definitivo. Qualquer avaliação do resultado definitivo da cirurgia do reconstrução mamária deverá ser feita após este período.

  • Sim. A tatuagem tem sido um método bastante utilizado nos dias atuais para se realizar a reconstrução da aréola, atingindo-se boa simetria em relação ao formato e tonalidade da aréola da mama oposta.

  • Não. Em geral, são necessárias três etapas para que a reconstrução mamária seja completada. Inicialmente é realizada a cirurgia da reconstrução da mama propriamente dita. Numa segunda cirurgia é realizada a simetrização da mama oposta e realizados retoques na mama reconstruída, caso sejam necessários. Numa última etapa é realizada a reconstrução do mamilo e aréola.

  • Não. Por melhor que seja o resultado atingido numa reconstrução mamária, haverá diferenças em relação à mama natural. Essas diferenças se mostram presentes nas alterações de sensibilidade, consistência e volume das mamas que são reconstruídas.

  • A escolha do tipo de reconstrução da mama se dá em decisão conjunta entre o cirurgião plástico e a paciente. As características físicas de cada paciente são analisadas, assim como a opinião de cada uma é levada em conta para que haja a escolha da técnica de reconstrução a ser utilizada.

  • A escolha pela reconstrução mamária imediata ou tardia depende basicamente da vontade da paciente. A reconstrução imediata traz melhora da autoestima da mulher, encorajando-a mais para o tratamento subsequente à cirurgia. Porém, a reconstrução mamária tardia pode ser realizada sem prejuízo no que diz respeito ao resultado final da reconstrução.

Reconstrução de Mama

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.